Prevenção e Detecção Precoce do Câncer de Ovário.

O câncer de ovário apesar de representar 4% das neoplasias do sexo feminino, 26.700 casos novos diagnosticado por ano na America (USA), é o tumor responsável pela principal causa de morte entre os cânceres ginecológicos ( Gersheenson et al. segundo Nisida) – 14.800 óbitos. Devido a esta importante característica e ao fato de que seu diagnóstico é frequentemente tardio, comprometendo o tratamento e prognóstico, é um tumor muito temido.
Apenas em 25% dos casos ele se apresenta em estágios precoces, em sua grande maioria é diagnosticado em fase tardia. O ovário por ser um órgão intra abdominal, os tumores nas fases iniciais não são detectados, exatamente por não interferirem com a função dos órgãos pélvicos e pela conformação desta cavidade, que ampla permite as lesões expansivas crescerem sem que seja sentido ou percebido pela paciente. A sobrevida dos casos iniciais a cinco anos ( estágio I) é torno de 85% e nos casos tardios cai para 37% (Cramer apud Halbe).
Dentre os fatores de risco os autores apontam: paridade e anticoncepcionais – nuliparidade (mulheres sem filhos) maior risco; estudos tem demonstrado que mulheres que usaram anticoncepcionais por cinco anos ou mais quando comparadas com as que não usaram, tiveram uma taxa de 38% menor em relação ao risco de desenvolver a neoplasia.
Outros fatores como: infertilidade, drogas para o tratamento da infertilidade ( há necessidade de mais estudos), amamentação( reduz, pelo fato de diminuir o número de ovulações), uso de terapia de reposição hormonal ( estudos controversos), idade da primeira menstruação ( menarca), menopausa, histerectomia, ligadura tubária são fatores estudados porém de menor importância.
Ainda estão imputados: o uso de talco – aplicados no períneo ou em absorventes internos, pode ser absorvido pelo trato genital inferior ( estudos controversos). Risco Genético- risco maior em dois parentes com câncer de ovário de primeiro ou segundo grau. Também há relação com parentes com Ca de mama e colorretal não poliposo não hereditário. Paciente com mutação no Gen BRCA 1( chance de 85% desenvolver Ca de mama e 63% de ovário aos 70 anos)
Os métodos utilizados para o diagnóstico dos tumores do ovário vão desde o exame ginecológico com o toque bimanual e o toque retal, aos exames de imagem e os marcadores tumorais.
Segundo os autores o exame clínico – o toque bimanual continua sendo o método mais comum, acessível e útil a todas as mulheres, no exame de seus ovários. Deve ser realizado anualmente após os 40 anos de idade. Até agora não há justificativas nem evidências clínicas que demonstrem a utilidade do uso indiscriminado dos outros métodos para pesquisa em massa, toda as populações femininas, no sentido de rastrear e detectar precocemente as lesões ovarianas.
A importância do exame ginecológico especialmente após a menopausa reveste-se de especial atenção, pois como descreve Barber toda massa pélvica palpável na pós menopausa deve ser suspeita. A confirmação pela ultrassonografia é o segundo passo na sequencia do diagnóstico. A tomografia computadorizada pode eventualmente ser solicitada no caso de dúvidas, das lesão pélvica.
O diagnóstico precoce é fundamental no investimento de vida da paciente.

Share

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.

Por favor, digite os caracteres desta imagem na caixa de entrada

Please type the characters of this captcha image in the input box

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.