Poesia e memórias de uma cirurgiã

O Estranho Hóspede

Estranho Desatino,
Crescendo desenfreado,
Desafiando o olho clínico,
Traiçoeiro, oculto, assombrado,
Reina sufocando,
Com suas garras de rapina.

Estranho hóspede aterrador,
Que brota de um acaso inocente,
Burlando a vigilância indolente,
Como quem rouba beijos inocentes,
Rompe vales e alagados,
De folículos sempre crescentes.

Extrapola a forma delineada
Transformando em quimérica flor
Estranha dedaleira maligna,
Arte de um deus devorador,
Dissipa e destroça a nau
Do fiel condutor

Doutor preste atenção,
Nessa caixa de segredos,
Abdomen globoso na sua mão,
Esconde um ladrão em degredo,
Fruto amargo e penoso,
Ovário imortalizado no medo

Câncer perdulário e destruidor,
Suga o rubor e o frescor
Da mocidade em flor.
Perdura atemporal,
Enquanto dure a seiva e o vigor

A criatura estremece
Suspeita como toda amante
Nem desconfia da desdita
Trama urdida às escondidas
Do ladrão incendiário
A lhe fenecer as forças mais aguerridas.

Deus permita o momento,
Do diagnóstico certeiro,
Resgatando nobre vida,
Qual a fecha do arqueiro,
Que busca o sonhado alvo,
E apaga o arruaceiro.

Este poema dediquei ao câncer de ovário, após operar uma paciente; impressionou-me demais a visão daquele tumor que crescia lenta mas agressivamente em uma jovem paciente de 25 anos.

Share

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.

Por favor, digite os caracteres desta imagem na caixa de entrada

Please type the characters of this captcha image in the input box

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

WhatsApp chat