Transformando Sentimentos.

Um dos mais belos trechos das instruções dos Espíritos em O Evangelho Segundo o Espiritismo encontra-se no capítulo XI – Amar ao próximo como a si mesmo, no item 8: A Lei de Amor.
Vejam como é lindo: O amor resume toda a Doutrina de Jesus, pois é o sentimento por excelência ( grifo meu), e os sentimentos são os instintos elevados à altura do progresso já realizado. Em seu ponto de partida, o homem só tem instintos. Quando mais adiantado, porém, ainda corrupto, só tem sensações, e quando instruído e purificado, adquire então sentimentos. O mais precioso dos sentimentos é o amor, não o amor no sentido vulgar do termo, mas esse sol interior que condensa e associa em seu ardente foco todos os anelos e revelações sobre humanas. Esta belíssima lição foi ditada por Sanson, antigo membro da Sociedade Espírita de Paris, em 1863.
Em Psicologia Transpessoal, nas sessões ditas experimentais, o psicoterapeuta diante da história do entrevistado, do cliente, após ouvi-lo atentamente pergunta: Qual é o seu sentimento?
Às vezes a pessoa confunde o sentimento com as sensações e descreve: “É um frio no estômago, ou um aperto” e o terapeuta insiste isto é sensação, qual o seu sentimento? E a pessoa pensa e responde: “Raiva, frustação”.
O sentimento é a capacidade de sentir, sensibilidade. Ou ainda é a faculdade de conhecer, perceber, apreciar, noção, senso, segundo o Aurélio.
Agora volte e releia o texto grifado e veja como ainda estamos distantes deste sol ardente que é o amor, que transforma todos os sentimentos.
Em um momento tão delicado da nossa sociedade onde os valores mais nobres passam por banalidades, onde as mentes em desequilíbrios transmitem a ordem do dia de que tudo tem um preço, levantam-se vozes e mentes em sintonia com o plano maior da vida alertando para os limites éticos da sociedade ( Revista Veja ano 45 n° 47. “Nem tudo se compra”). Os que consideram o sentimentalismo e o romantismo piegas, Emmanuel no Livro,Palavras de Emmanuel- F.C.Xavier, Feb, capítulo 32- No Campo dos Sentimentos nos orienta: “ A razão sem os sentimentos é fria e implacável como os números, e os números podem ser fatores de observação e catalogação da atividade, mas nunca criaram a vida. A razão é uma base indispensável, mas só o sentimento cria e edifica. É por esse motivo que as conquistas do humanismo jamais poderão desaparecer nos processos evolutivos da humanidade” ( O Consolador, do mesmo autor).
Aquele sentimento de raiva, ódio, frustação é uma resposta interior de dor psicológica que precisa ser trabalhada, instruída e transformada, afinal como diz nosso amigo Alberto Almeida em suas palestras: “O ódio é o amor enfermo”.
É urgente a necessidade de nos instruirmos nos Nobres Valores que alicerçam o sentido do Homem no Universo e transformarmos a nossa ignorância e dor em móvel de crescimento interior.
Transformando Sentimentos- Palestra no IX SEMESPI em Picos-PI, no próximo sábado – ver cartaz no blog.

Share

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.

Por favor, digite os caracteres desta imagem na caixa de entrada

Please type the characters of this captcha image in the input box

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.